Melhoramento animal: números e harmonia – uma reflexão (parte 1).

Por em 6 de janeiro de 2013

O foco do melhoramento do gado de corte está em agregar no rebanho a capacidade de produzir animais com carcaças com excelente rendimento de carne de qualidade. Na anatomia do animal selecionado, o comprimento e a largura do dorso-lombo e o volume da garupa devem ser selecionados para suportar de forma harmoniosa a maior quantidade de carne possível. Para esse objetivo ser alcançado, é necessário que esteja alicerçado em características funcionais e raciais. Bezerros Nelore IRCA Na zootecnia, o conceito de harmonia é o mesmo do design: relação não aleatória entre as formas, na qual contornos e enchimentos estejam bem definidos, variando segundo uma hierarquia pré-estabelecida e respeitando a forma do animal. A harmonia é o elo de união entre todos esses conceitos e, ao mesmo tempo, transcende a soma dos valores de cada um isoladamente, pois pode ser considerada como a fusão equilibrada de tudo isto em doses exatas (a harmonia no contexto do design). Dessa maneira, as características a serem melhoradas precisam ser vistas em seus limites e perseguidas para as medidas ideais, evitando os extremos. Em outras palavras, na medida em que o melhorista compõe e aplica os seus conhecimentos escolhendo os valores e a importância de cada uma das características, ele determina o equilíbrio do animal e, por consequência, a sua harmonia. Nesse equilíbrio, os valores mais elevados das DEPs expressas nos Sumários de Reprodutores nem sempre serão os mais adequados. Assim como nos fenótipos, existe um ponto ótimo de DEP para cada sistema de produção…, capaz de trazer maior benefício à atividade pecuária. Nessa busca pela harmonia do animal, o melhorista tem um instrumento muito útil em suas mãos, que hoje em dia é às vezes desprezado: o padrão racial adotado pela Associação Brasileira dos Criadores de Zebu (ABCZ). Esse standard racial auxilia no direcionamento do tipo morfológico das futuras gerações, preservando a continuidade das qualidades da raça. Não podemos esquecer. A raça Nelore tem a seu favor uma excelente conformação, com uma ossatura forte. Os seus bezerros são sadios, fortes, espertos e, horas depois do parto, já se deslocam com o rebanho. Experimentos demonstraram que o Nelore pode oferecer carcaças com 16,5 arrobas, aos 24 meses de idade, e rendimento de 53-55%, quando alimentado em pastagem. Teria algum sentido desprezar esse rico patrimônio genético? Bezerros saudáveis, nelore IRCA. Feita essa observação sobre o valor do racial, vejamos as características que convém priorizar na seleção, dentro do conceito da harmonia: a) características reprodutivas: perímetro escrotal ajustado para idade e peso, idade ao primeiro parto, intervalo de partos, período de gestação, tempo de permanência no rebanho e probabilidade de prenhez aos 14 meses de idade; b) características de crescimento: pesos ao nascimento, à desmama, e ao sobreano, monitorando o ideal do peso à idade adulta, com parâmetros como número de dias para ganhar 160 kg de peso do nascimento à desmama, e número dias para ganhar 240 kg da desmama ao sobreano; c) características morfológicas: conformação, precocidade de acabamento da carcaça, musculosidade e tamanho do umbigo; d) características de produtividade: retorno maternal, onde a eficiência reprodutiva da fêmea Nelore é descrita com base na precocidade sexual, permanência produtiva no rebanho, produtividade materna e custo de mantença estimado. A combinação dessas características estima o retorno em quilos de peso vivo produzidos por uma vaca em um ano; e) rendimento de carcaça: importante por decompor peso vivo em kg de carne por unidade de carcaça, pois a final o produto é carne e não ossos. Nelore IRCA - Seleção criteriosa desde 1916.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.