Será que todo mundo deveria operar na bolsa?

Por em 6 de março de 2015

Bom dia, tudo bem?

Ontem estive no evento sobre confinamento organizado pela Coan. Veja uma foto da palestra do nosso amigo e colunista Rodrigo Albuquerque.

O tema principal do dia foi mercado do boi gordo e perspectivas para 2015. De um lado, muita gente otimista com os preços e esperando uma valorização da arroba para o segundo semestre. Como comentamos ontem, há uma pequena procura para travamento dos preços do boi gordo nos valores atuais dos contratos de outubro-2015, o que nos intriga um pouco… Pois, ao analisar o cenário da economia como um todo, as notícias não são tão positivas… O ponto positivo nesse cenário é o dólar, que segue aumentando.

Um tema relevante sobre o mercado futuro do boi gordo, levantado ontem de manhã numa discussão no whatsapp foi:

Como podemos ajudar o Cepea a melhorar o indicador?

Um comentário que recebi e concordo: O Cepea tem feito seu esforço em melhorar as formas de coleta. O desafio é que quem informa tem um viés de interesse, dos dois lados.

O Cepea tem um projeto já apresentado aos frigoríficos há mais de 2 anos buscando a troca de informações eletrônica. Até hoje, ainda esbarra nas burocracias e baixa adesão.

Pelo que me informei, dos grandes frigoríficos, apenas o Minerva aceitou passar os dados de forma integral por via eletrônica.

Se os outros frigoríficos também participassem todos os problemas estariam resolvidos e não haveria como ter suspeitas ou críticas ao indicador… Seria a solução desse problema de coleta… Mas pelo visto não há interesse nisso…

Volto com a pergunta: Como podemos ajudar o Cepea a melhorar o indicador?

Outro tema que surgiu ontem, que acredito ser um ponto chave para melhorar a capacidade de comercializar bem, por parte do frigorífico.

A pergunta: Será que todo mundo deveria operar na bolsa? Que todo mundo com interesse na pecuária de corte deveria fazer alguma coisa? Ou a bolsa deveria ser para poucos?

Alguns dos comentários que vi:

1- Eu acho importante que em algum momento quem comercializa ou trabalha de alguma forma com o boi gordo tenha operado um contrato para entender do que se trata. Só assim para entender realmente tudo o que envolve a operação (das margens, à corretagem e controle emocional). Mas não acho necessário nem prudente operar o tempo todo.

2- A bolsa deve ser para todos, e é. Mais gente operando, ajuda na liquidez.

3- Para o pecuarista, o melhor é usar as opções na bolsa e não contratos futuros.

Eu concordo que todo pecuarista que quer fazer uma boa comercialização precisa entender realmente como a bolsa funciona, como são as ferramentas, como usar contratos futuros, como usar opções. Eu reconheço que é difícil entender como funciona, não é normal entender na primeira parte.

Meu ponto é que quem realmente entende (é uma minoria), está muito na frente na capacidade de fazer bons negócios.

Aqui no BeefPoint estamos trabalhando para criar um serviço de ponta de informação de mercado, diferente de tudo que já existe. A idéia é criar uma espécie de conselho consultivo sobre mercado, de altíssimo nível para pecuaristas. Imagine você ter o mesmo nível de informação sobre mercado, tendências e economia que os grandes frigoríficos têm…

Ainda não posso abrir muitos detalhes, mas estamos muito animados. Esse serviço está muito alinhado com nosso propósito e sonho de revolucionar a pecuária usando educação.

Desejo a você um ótimo final de semana. Um grande abraço, Miguel

PS: Na segunda-feira, voltamos com o tema “Como calcular seu custo de produção do boi gordo, de forma simples e fácil”.

Miguel Cavalcanti
BeefPoint: Para quem faz hoje a pecuária do futuro. E para quem quer fazer.
AgroTalento: Desenvolvimento pessoal e profissional para os novos líderes da pecuária.

4 Comments

  1. Eng. Agr. Luiz Pereira

    06/03/2015 at 12:16

    atuo orientando produtores da agricultura familiar, mas fico feliz por ver que tem pessoas do bem, querendo ajudar o agronegócio pela boa informação!!!!

  2. Domingos Batistella

    06/03/2015 at 17:45

    Ninguém pode nem deve saber tudo ou fazer tudo , no geral o que funciona é o básico bem feito bem controlado , neste caso da pecuária ciclo começa com animal ( pecuarista ) , vira produto carne (frigorīfico ) e chega no prato alimento , precisa se organizar para atender consumo local , regional ou até onde o produto final chega mantendo as qualidades de alimento de alto valor protêico essencial , cada agente da cadeia faz sua parte recebe devida remuneração , importa muito o profissionalismo e harmonia , parece secundária esta questão citada de muita especulação e malabarismos artificiais ,

  3. Clemens Barbosa de N. Jr.

    09/03/2015 at 08:29

    Como podemos ajudar o Cepea a melhorar o indicador?
    Eu vejo, como foi dito, que as informações não chegam claramente ao CEPEA,. Se produtores rurais, interessados no processo, corretores, …, pudessem passar o valor diretamente ao CEPEA, por algum mecanismo, seria uma opção.
    Realmente, os valores divulgados estão sempre aquém do divulgado. Como é o caso, dos divulgados no DBO TERRAVIVA na TV.

    Será que todo mundo deveria operar na bolsa? Que todo mundo com interesse na pecuária de corte deveria fazer alguma coisa? Ou a bolsa deveria ser para poucos?
    O maior entrave a muitos pecuaristas é a falta de conhecimento (para operar na bolsa),”nós não sabemos nem por onde começa”.
    Outro ponto é trabalhar com pouco boi – não vai gerar estímulo a tal fato.
    E terceiro- falta de conhecimento de mercado.

  4. Pingback: Altos retornos, altos riscos - Rodrigo Albuquerque

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *