Quem será o líder da pecuária do futuro? A resposta pode te surpreender.

Por em 6 de outubro de 2014

Olá, tudo bem?

Começo essa semana muito animado, continuando aqui nos EUA. No sábado, encerramos a sexta viagem técnica do BeefPoint, dessa vez para o estado da Calfórnia.

A viagem foi excelente, eu pude aprender muita coisa, com quem visitamos e com os participantes da viagem. Os americanos nos ensinam sobre orgulho da agropecuária, sobre patriotismo (vimos bandeiras dos EUA hasteadas em muitos lugares) e também sobre persistência e resiliência. Eu também pude aprender com vários dos brasileiros que participaram conosco da viagem sobre o valor do trabalho, da dedicação, do empenho, de se dedicar mesmo ao trabalho que acredita, mesmo que seja difícil e que se tenha enormes dificuldades.

Numa viagem como essa, passamos uma semana convivendo juntos. Conversando, trocando experiências, ensinando e aprendendo e também dando boas risadas. Nas refeições, nas viagens, nas paradas… Acabamos aprendendo mais com o próprio grupo do que com quem visitamos. E olha que visitamos muita gente boa e aprendemos muita coisa interessante…

Confirmei mais uma vez que as viagens técnicas estão muito alinhadas com nosso propósito de trazer: 1-conhecimento, 2-relacionamento e 3-inspiração para quem faz hoje a pecuária do futuro. É incrível o aprendizado acumulado, o grupo de amigos que se forma, as ideias novas e o reforço na motivação para fazer acontecer no seu negócio depois de uma viagem como essa… Eu fico satisfeito, animado e agradecido… Bom demais, mesmo! :-)

Me despedi do grupo e segui para a cidade de Corpus Christi, no Texas, onde estou agora te escrevendo esse email. Vim participar da Conferência da 5 Nations Beef Alliance, uma aliança de associações de produtores dos EUA, Canadá, México, Austrália e Nova Zelândia.

Eu e o Luciano Vacari da Acrimat estamos representando o Brasil e vamos palestrar na quinta-feira. É a primeira vez que o Brasil participa desse encontro anual e da entidade e devemos ser convidados a nos filiar, através da Acrimat. O Paraguai também foi convidado a participar, e está aqui representado pela Associação Rural do Paraguai, onde tenho amigos de longa data.

O objetivo dessa associação é trocar informação entre os principais países produtores. Desde que ouvi falar dessa aliança, há mais de 10 anos, me pergunto porque o Brasil não estava presente. Hoje eu tenho o privilégio de representar a pecuária brasileira. Espero corresponder a altura e vou me dedicar com generosidade para isso.

Esse tempo fora de casa (desde a sexta-feira, dia 26-setembro), e todos esses encontros, visitas, palestras, me fizeram refletir sobre uma frase que ouvi ontem na abertura do encontro da 5 Nations Beef Alliance: Leva uma vida para se construir uma fazenda.

Sim, é muito trabalho, é muito tempo, é muita dedicação.

E se você olhar a sua volta, você vai ver que os maiores sucessos foram construídos ao longo de muitos anos. Ao longo de décadas… Tem uma frase que eu gosto muito: “Sucessos da noite para o dia demoram pelo menos 10 anos para acontecer”.

Pecuária é longo prazo…

Levando isso em conta, te pergunto: o que você tem feito hoje, esse ano, que vai te trazer boas lembranças, boas recordações, orgulho daqui 10 anos? Daqui 30 anos, quando você estiver contando histórias para seus netos. Uma das métricas que eu tenho para uma vida bem vivida é termos boas histórias para contar. Histórias que possamos ter orgulho de ter vivido e participado.

Estou no sul do Texas, local com maior concentração de vacas de corte do país, e na palestra vejo um slide mostrando que a produção do Brasil somada a dos EUA representa 41% da produção mundial de carne bovina. É muita coisa…

Saber que mais de 40% da produção mundial vem de dois países é uma boa reflexão da nossa importância, do nosso pontencial e da nossa responsabilidade. Eu estou muito interessado em aumentar o intercâmbio de informações entre essas duas pecuárias e já bolando uma novidade para 2015…

Mas eu queria te convidar a pensar sobre mais um tema que também foi discutido ontem na abertura da conferência: Quem são os novos líderes da nossa pecuária? Quem são as lideranças de amanhã? Quem são as pessoas que estão começando a representar nossa pecuária? Quem vai representar nossa pecuária daqui para frente?

Essa pergunta é essencial, no cenário municipal, regional, estadual e até nacional. Eu aprendi ontem sobre iniciativas de cada um desses países sobre desenvolvimento e formação de novas lideranças. E fiquei muito animado pois esse é um dos temas que mais vamos abordar no AgroTalento, que vou lançar quando voltar ao Brasil, na segunda quinzena de outubro.

P: Quem será o líder de amanhã?

R: Você.

Sim, você é a resposta sobre quem serão os novos líderes da pecuária. Você pode. E a pecuária precisa de você.

Liderança é uma arte e uma ciência. E eu tenho estudado muito sobre isso ultimamente para trazer o que há de melhor no mundo para dentro da pecuária. E também convidando especialistas de fora para darem aulas no AgroTalento. E ainda, entrevistas em profundidade com líderes do nosso setor.

Se pecuária é longo prazo, você não precisa conquistar tudo em pouco tempo. Se você acha que não é um líder, pense em como pode ser daqui um mês, daqui um ano, daqui cinco anos.

Ouvi outro dia: Não desista dos seus sonhos só porque eles vão demorar muitos anos para se realizarem… O tempo vai passar do mesmo jeito… :-)

Será que você consegue pensar em uma pequena coisa (pequena mesmo) que pode fazer para melhorar a pecuária essa semana, e me responder por esse email?

Outra pergunta, nessa linha: Quem você admira, reconhece e percebe como uma nova liderança para nossa pecuária de corte?

E para finalizar, uma frase que gosto muito e escrevi no Facebook ao saber do resultado do primeiro turno de ontem: “O que me preocupa não é o grito dos maus. É o silêncio dos bons.” Martin Luther King.

Boa semana para você. Muito obrigado pela companhia. Um forte abraço, Miguel

PS: Obviamente, liderança não é para todo mundo. É apenas para aqueles com vontade, com energia e com real interesse em fazer a diferença. É uma escolha interna, que só você pode tomar por você mesmo. Mas a única coisa essencial é essa escolha.

Miguel Cavalcanti

BeefPoint: Para quem faz hoje a pecuária do futuro. E para quem quer fazer.
AgroTalento: desenvolvimento pessoal e profissional para os novos líderes da pecuária.

2 Comments

  1. Roberto Mesquita

    06/10/2014 at 09:06

    Nos séculos 19 e 20, três gerações eram necessárias para se construir uma fazenda. Infelizmente, a partir do século 21, a falta de uma política agrária estruturada a partir de um zoneamento agrícola e pecuário orientado para objetivos de máxima agregação de renda, metade de uma geração está sendo suficiente para desconstruir quase a totalidade das fazendas construídas até o final do século passado. A oligopolização das monoculturas, do processamento do leite e da carne juntamente com uma equivocada política de urbanização em direção às zonas rurais, vem minando a heróica implementação de um modelo de gestão eficaz e profissionalizado que garanta a sobrevivência das poucas empresas que sucederam às fazendas construídas no século passado. Seguramente, a reconstrução dessas novas (velhas) fazendas passa pela necessidade de formação de alianças estratégicas, especialmente estruturadas em cooperativas de produção, beneficiamento e comercialização, geridas pelos próprios gestores das fazendas, cujos planos de lucro estabelecidos safra a safra tenham como fundamento básico contemplar sustentabilidade com equilíbrio entre os ganhos de produtividade e os de lucratividade.

  2. caio schicarelli

    26/07/2015 at 13:23

    Pura verdade,demora muito mesmo e uma vida,pois tem aquele ditado,quem tem pressa come cru,…

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *