Provocações, sacadas e reflexões sobre gerenciamento eficaz

Por em 25 de março de 2015

Bom dia, tudo bem?

Muita gente me pediu mais informações e mais sacadas sobre o curso empresa auto-gerenciável, e muita gente ficou interessada no futuro curso fazenda auto-gerenciável. Esse foi um dos emails que eu mais recebi respostas, comentários e ideias. Muito obrigado pela participação e em breve teremos novidades… :-)

Então, vou comentar aqui, mais algumas reflexões minhas sobre o curso.

Marcelo Germano fez duas provocações no curso.

No início, depois de todos se apresentarem, ele se apresentou falando mais dos laços familiares do que de trabalho… E toda a turma, inclusive eu, tinha se apresentado falando seu nome, trabalho e empresa…

A outra provocação foi no final do curso, quando ele disse que a vida pode ser muito mais do que trabalho e preocupação. O que é infelizmente a realidade de muitos donos de negócios…

Outra sacada é sobre o primeiro passo quando você estiver pensando num negócio. Você deve desenhar o negócio, e depois declarar quais são os princípios, os valores, os pontos que são inegociáveis. Acredito que “desenhar” o negócio é muito importante e poderoso. Abordamos o Business Model Canvas no AgroTalento e tem sido muito interessante.

O pessoal da turma 1 do AgroTalento tem gostado muito dessa ferramenta e tivemos debates e trocas de experiências muito ricas usando esse material. É uma forma fácil, rápida e visual de planejar seu negócio e seu modelo de negócios.

Ao desenhar e declarar seu sonho, seu projeto, sua meta, fica mais fácil você seguir realmente o que sonhou/planejou e não terminar num lugar muito diferente de onde você queria chegar…

Ainda tive duas reflexões durante o evento do final de semana.

A primeira foi sobre o “treino não intencional”.

Sem você perceber, suas atitudes, sua energia, seu jeito e seus hábitos podem estar “treinando” sua equipe a fazer coisas que você não gostaria… Você vê alguma coisa que não está alinhada com o que você pensa/deseja, mas no fim das contas, você foi o culpado por efetivamente “treinar” as pessoas a agirem assim.

Eu acredito que eu tenho uma série de pontos cegos a corrigir e que isso vai me ajudar muito.

A segunda reflexão é sobre reconhecimento, elogio e agradecimento.

É fundamental que você reconheça, elogie e agradeça o bom trabalho da sua equipe. Aqui está uma grande falha minha. Por eu buscar sempre melhorar, buscar sempre a excelência, acabo ficando meio que sempre insatisfeito, sempre querendo mais. E com isso, minha equipe recebe muito menos reconhecimento, elogios e agradecimentos do que merece. Muito menos mesmo…

Faço aqui esse reconhecimento público… E aprendi que cada pessoa tem uma preferência sobre como quer ser reconhecido e nem sempre é em público… Vou trabalhar mais nisso daqui em diante… Ou seja, pode ser que nem assim esteja fazendo da melhor forma… :-)

Aproveito para te perguntar. O que você acha da ideia de criar um curso chamado Fazenda Auto-Gerenciável, focado para o agronegócio? Me responda esse email com suas ideias, temas mais relevantes e problemas nessa área.

Muito obrigado pela sua participação. Abraços, Miguel

PS: Ontem, perguntei sobre o que você gostaria de descobrir sobre o assunto produção e comercialização de carne de alta qualidade.

1- Você que produz animais de alta qualidade, quais são seus problemas, suas dúvidas, suas dificuldades? O que tira seu sono a noite?

2- Você que comercializa carne de qualidade, quais são suas questões, os problemas, os pontos que deseja melhorar?

Por favor, responda esse email com suas respostas… :-)

Miguel Cavalcanti
BeefPoint: Para quem faz hoje a pecuária do futuro. E para quem quer fazer.
AgroTalento: Desenvolvimento pessoal e profissional para os novos líderes da pecuária.

2 Comments

  1. Marcos José Silva

    25/03/2015 at 08:56

    Ti não tem outra solução ao não ser trabalhar com informação precisa e cada vez mais rápida.
    Marcos José Silva tecnólogo em analise e desenvolvimento de sistemas.

    • Joaquim Luiz G. de Moraes

      05/05/2015 at 20:10

      Concordo com o fato de trabalharmos contra, ou seja, de treinarmos os funcionários a se comportarem ou agir erradamente … Cada caso é um caso e principalmente quando se trata de sermos ou de estarmos inclusos a um gerenciamento tradicionalista, sem meta real e funcional, eu diria. … O que nos falta é saber como ter ou bolar uma diretriz para uma maximização na produção. … Existem uma infinidade de proprietários e ou propriedades rurais que estão a mercê do acaso, meu caso é um exemplo. … estou aberto a sugestões ou orientações. Obrigado.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *