Pastos degradados e preços recordes do boi gordo – como pode?

Por em 3 de fevereiro de 2015

Bom dia, tudo bem?

Na semana passada, participei de uma discussão sobre como andam os investimentos na pecuária.

Um amigo comentava que tinha andado bastante de carro por uma região tradicional de pecuária, e visto muitas e muitas fazendas com pasto degradado. E ele se perguntava: “Se agora que os preços estão recordes, as pessoas não estão investindo, quando irão?”.

Esse é um debate interessante e que mostra que a pecuária ainda tem variações muito grande de profissionalismo, produtividade, investimento e visão de mundo.

Há quem está investindo, melhorando, aprimorando, aprendendo. E há quem está andando de lado, ou apenas reclamando. E o mercado é o mesmo para os dois. O que muda é o modelo mental.

Eu gosto de observar as conversas sobre pecuária.

Em algumas rodas, o tema é produtividade, eficiência, melhorias no sistema de produção da fazenda. Também falam sobre estratégia de comercialização e sobre como usar o mercado futuro e outras ferramentas de proteção de preços.

Em outras rodas, o tema geralmente é preço do boi e quantidade de chuvas. Esses dois assuntos são incontroláveis, você não consegue influenciar. Ou seja, está fora do seu alcance. Mesmo sobre esses dois temas, você pode perceber dois perfis de conversa.

Na primeira, se fala sobre maneiras de adaptar ao cenário atual de preços ou de chuva. Na segunda, é mais uma contemplação, e as vezes, uma lamentação…

Te convido a observar a próxima conversa sobre pecuária que você participar. Preste atenção se estão falando sobre o que se pode fazer, e como fazer, ou se estão apenas contemplando e até reclamando de fatores incontroláveis…

Muito obrigado pela companhia. Um grande abraço, Miguel

PS: Recebi alguns emails comentando novamente meu artigo com a “infame” comparação vaca X galinha. Lembro aqui uma parte da minha conclusão:

Mas fica aqui nosso dever de casa, de focar no que realmente importa, em medidas que realmente tragam resultados econômicos. E que possamos gastar menos tempo discutindo qual a melhor raça, e mais tempo trabalhando para tornar a pecuária mais competitiva, e mais eficiente em relação a outras proteínas de origem animal. Esses são nossos reais concorrentes.

Uma galinha pode produzir mais carne que uma vaca? – Miguel da Rocha Cavalcanti

Miguel Cavalcanti
BeefPoint: Para quem faz hoje a pecuária do futuro. E para quem quer fazer.
AgroTalento: Desenvolvimento pessoal e profissional para os novos líderes da pecuária.

36 Comments

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *