Os 16 melhores de setembro

Por em 1 de outubro de 2014

Bom dia, como vai?

Ontem foi um dia muito produtivo aqui na nossa viagem técnica na Califórnia. Visitamos um leilão fundado há quase 60 anos, um confinamento de Wagyu (integrado com fazenda de cria e frigorífico, tudo do mesmo dono). Uma fazenda de seleção genética de Angus e uma visita a UC Davis, considerada num ranking internacional a principal universidade de ciências agrárias do mundo. Terminamos o dia, comendo uma boa carne Certified Angus Beef na cidade de Davis.

Hoje vamos visitar a associação de produtores de gado de corte da Califórnia, conhecer como eles trabalham as questão de regulamentação pública e política do setor. E como fazem para formar novos líderes na pecuária, um dos focos do AgroTalento. A tarde vamos passear no Parque Nacional de Yosemite, que eu ainda não conheço e parece ser um dos mais bonitos dos EUA.

De tudo que vimos ontem, gostaria de destacar nesse email, o trabalho de comercialização de gado para reposição. Veja algumas informações abaixo:

Todo gado é vendido por peso, com balança exatamente na saída do redondel (esse sistema de leilão é o considerado “antigo”, os mais novos pesam o gado exatamente antes da entrada no redondel do leilão).

Cada lote tem o máximo de informações possíveis, como: peso estimado, genética dos touros, quais vacinas e protocolos sanitários o bezerro passou (o que pode acelerar e facilitar a entrada de animais no confinamento), se está inscrito no programa de rastreabilidade voluntária (e permite exportar para o Japão), se já tomou implantes e antibióticos (e poderia ser incluído em programas de carne orgânica ou “natural”). Se o lote tem machos e fêmeas, já existe o desconto negociado por peso para as fêmeas.

Nos leilões pela TV/internet, também é possível vender bezerros a futuro. Ou seja, você compra/vende um bezerro com entrega programada para 6, ou 8 ou até 12 meses. Você pode vender um bezerro que ainda nem nasceu. Isso cria opções de financiamento e proteção para ambos os lados. Os contratos são em peso vivo e são muito, mas muito respeitados.

A comissão é paga apenas pelo vendedor, sendo de 3,5% a 2,75% na venda presencial, variando de acordo com o volume de negócios. E na venda pela TV/internet, a comissão é de 2-1,5%, também variando por volume de negócios. Essa empresa que visitamos, comercializa 100 mil animais por ano “ao vivo”, e 400 mil animais por ano pela TV/internet. Eles têm um leilão presencial toda sexta-feira.

Eles confirmaram os preços de bezerro nos EUA, que falamos ontem e nos mostraram negócios realizados ainda mais altos. O mais caro que vi, foi um lote de bezerros com 400 libras (180kg) sendo comprado por US$ 1.500 (ou seja US$ 8,33/kg de peso vivo).

Um outro fator que está estimulando o aumento do preço do bezerro, além da reduzida oferta e da seca, é o baixo preço do milho, base da alimentação nos confinamentos dos EUA. Como no Brasil, a relação de troca milho X boi gordo nunca esteve tão favorável para o boi gordo.

Enfim, o ponto principal é que o mercado trabalha com muito mais transparência e informação. Com destaque para a questão de venda por peso. O leilão de gado de corte que visitamos é o mais famoso e respeitado no oeste americano, e trabalha com um sistema de pesagem considerado antigo. A pesagem acontece exatamente após a venda, e o comprador precisa estimar bem o peso do animal ao dar os lances. Lembrando que o preço é por peso e não por cabeça, mesmo no sistema mais “antigo”.

Esse é um aprendizado muito importante para nós. Acredito que os vendedores e compradores de bezerros que atuam na pecuária profissional no Brasil se benefiariam muito com um sistema baseado em peso e com muito mais informações de genética, certificação e protocolos sanitários.

O preço do bezerro está subindo, esse é o momento de investirmos na modernização da nossa comercialização, o que será bom para o setor como um todo.

Seus comentários são muito benvindos. Por favor nos escreva aqui, ou é só responder esse email. Eu leio todas as mensagens.

Um grande abraço, Miguel

PS: O mês de setembro passou rápido demais… Abaixo nossa seleção de melhores artigos do mês. Aproveite para ler ou reler algum de seu interesse. E para deixar seu comentário, completando uma informação, contando um relato ou aprendizado seu. Com isso, ficamos muito melhores. Muito obrigado.

Conteúdos destaque em setembro no BeefPoint:

1- Quanto vale a mais um bezerro de alta qualidade genética?

2- O bezerro caro é o barato… E o barato é o caro… – Rodrigo Albuquerque

3- A pecuária está travada igual boca de mula na mão de pé de macaco – Rodrigo Albuquerque

4- O melhor indicador de sucesso – Miguel da Rocha Cavalcanti

5- Resultado da 2ª Enquete: Em quem a pecuária de corte vai votar para presidente do Brasil em 2014

6- Quais coisas incríveis seu sindicato rural faz? – Miguel da Rocha Cavalcanti

7- Muito obrigado pelo exemplo, inspiração e vida, Dr. Fernando – Miguel da Rocha Cavalcanti

8- Abate de bovinos foi 0,2% menor que o registrado no 2º trimestre de 2013 – IBGE

9- Quem você vai ser quando você estiver sendo? – Miguel da Rocha Cavalcanti

10- 3 segredos de quem vende bem seu gado para o frigorífico

11- Vender antes de entrar no confinamento ou quando o gado está pronto?

12- Quantas @s de boi gordo para se comprar um bezerro, de 2004 a 2014

13- Como será amanhã?

14- Boa intenção sem cooperativismo não passa nem da porteira

15- Abate não fiscalizado de bovinos é estimado pelo Cepea/USP em menos de 10%

16- Importância da análise completa de custos e os itens que não enxergamos

Miguel Cavalcanti

BeefPoint: Para quem faz hoje a pecuária do futuro. E para quem quer fazer
AgroTalento: desenvolvimento pessoal e profissional para os novos líderes da pecuária

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *