O modelo mental e o sistema de produção do bezerro de R$ 2.000

Por em 11 de junho de 2015

Olá, tudo bem?

Hoje temos dois temas muito interessantes para debater.

O primeiro é uma continuação da conversa sobre bezerro de R$ 2.000.

Um amigo do MT, uma pessoa que eu gosto e admiro muito, me passou algumas reflexões que achei muito interessantes para discutir o cenário de quem comprou o bezerro de R$ 2.000, obviamente com objetivo de lucrar com essa operação.

Olha que visão diferente de pecuária (dentre as muitas “pecuárias” que temos no Brasil):

1- O preço pago por kg de bezerro foi realmente alto, mas esses bezerros possuem uma genética diferenciada, sendo boa parte tricross (vacas meio sangue angus, inseminadas com simental preto) e também filhos de TETF, que se espera um desempenho superior na recria e terminação, potencializando todo o investimento.

2- O risco da atividade aumenta, mas mesmo assim não chega no risco da agricultura.

3- A expectativa é que o preço de venda seja mais alto do que o atual. A lógica desse pensamento é que o bezerro em falta hoje, é o boi que vai faltar amanhã. E também existe o diferencial de preço para animais diferenciados.

4- O sistema de produção será mesmo ILP, com uso de pastagens safrinha e depois áreas rotacionadas com soja. Recebem atualmente suplementação de 1% do peso vivo e posteriormente (terminação) vão entrar no confinamento a pasto. O custo da ração fica entre R$ 0,35 a R$ 0,40/kg. Todo o sistema de produção é pensado em alta tecnologia: genética, sanidade, nutrição, aditivos, bem-estar animal.

5- O peso de abate será por volta de 25@, visando diluir ao máximo o ágio pago.

6- A expectativa de abate é para o segundo semestre de 2016, com lucro operacional efetivo de R$ 500 por cabeça.

Fica aqui meu convite para você pensar sobre esse negócio:

– Que pontos diferentes desse sistema de produção tem do seu sistema?
– Quais as diferenças de modelo mental desse produtor para o seu modelo mental?
– Quais as premissas acima, você concorda ou discorda?
– O que você mudou de opinião ao ler essa mensagem acima? (se foi nada, tudo bem também… :-)

Comente aqui e me ajude a pensar com mais clareza sobre as mudanças da pecuária.

Eu procuro olhar tudo com uma visão de criança, curioso, sem ter a minha verdade. Não é fácil e eu nem sempre consigo. Mas quando consigo, minha capacidade de analisar, pensar, e agir melhor aumenta.

Tem uma frase que eu gosto muito, um ditado indígena, que diz: “É impossível acordar alguém que finge estar dormindo”. Eu quero estar acordado ou dormindo. Nunca fingindo estar dormindo. Mas eu sou humano também, e nem sempre consigo… :-)

Espero seu comentário. Muito obrigado :-)

Outro tema polêmico de ontem surgiu com 3 fotos que postei no Facebook do BeefPoint, sobre carne com marmoreio de Nelore. As fotos são reais e falam por si só. Veja você mesmo e deixe sua opinião. Eu recebi as fotos do meu amigo Mateus Arantes, e também comentários do Roberto Barcellos, grande especialista, que acompanhou o abate.

Veja as fotos, e deixe seu comentário lá.

Muito obrigado pela sua participação. Um grande abraço, Miguel

PS: Você quer fazer a diferença na pecuária e deixar um legado que você se orgulhe daqui 10, 20 anos? Se você acredita no potencial das pessoas e da pecuária brasileira, esse CONVITE é para você.

PS2: Já assisttiu o vídeo do AgroTalento, com uma dica de produtividade: O que é ser produtivo de verdade? [Vídeo]

Miguel Cavalcanti
BeefPoint: Para quem faz hoje a pecuária do futuro. E para quem quer fazer.
AgroTalento: Desenvolvimento pessoal e profissional para os novos líderes da pecuária.

21 Comments

  1. luiz roberto zillo

    11/06/2015 at 09:55

    Bom dia !!!
    Acho pouco provável que o invernista vá abater esses bezerros com 25@.Digamos que até 22-23 @ seria um pouco menos oneroso.
    Esse é o primeiro ponto. O tempo determinado demandaria alto custo de arraçoamento.
    Animais dessa envergadura terão que sair do leilão comendo e entrar na propriedade com ração, seja ela no pasto ou confinado.
    Portanto quem adquiriu deve ter isso em mente e estar bem preparado.
    As vezes o medo de não conseguir reposição e a vaidade entram em cena num acontecimento desse.
    Abater no segundo semestre de 2016 é possível sim com bom ganho de carcaça mas em excelentes condições de manejo e arraçoamento.
    É aí que pode entrar o modelo de ILP, e ou confinamento a pasto, haja visto que esse valor do custo da ração é sim possível hoje mas nas proximidades da região agrícola do MT, MS ou GO.
    Quanto ao risco ser menor que a atividade agrícola, sem dúvida pois tem liquidez certa. Caso necessário é fácil sua venda.
    Outro ponto que a oferta desse tipo de animal não é tão comum. Para atingir quantidades tão elevadas dessa oferta levaria mais um tempo.
    Mais ou menos seria esse meu pensamento no momento.
    Beto Zillo.

  2. Mateus Arantes

    11/06/2015 at 09:58

    Miguel quando se pensa em iLP temos pelo menos 2 a 3 produtos (soja, milho e boi) e aí entra a estratégia de venda tbm. Além de todo o sistema produtivo. Por exemplo posso vender o boi sem ganhar nada do que entregar o milho a um preço muito baixo aí no Mato Grosso. A outra estratégia q já foi dita e transformar residi e milho as vezes a preço baixo em carne e aí fica muito bom também. Ter o boi como reserva de valor sempre muito bom pois e um estoque q ganha peso e automaticamente aumenta de valor, além da liquidez e claro.
    O custo fixo da iLP e alto e a conservação do fluxo de caixa excensial.

    • Moacir Gomes

      11/06/2015 at 16:09

      Caro Miguel. Sempre muito positivas as suas provocações. Acredito, que fechar contas, com bezerros adquiridos por 2.000,00 é quase impossível. Talvez em raríssimos casos se consiga fechar a conta positivamente. Mesmo contando com ILP, semi confinamento, confinamento e demais ferramentas de produção modernas. O que diga-se de passagem, no Brasil, em se tratando de pecuária é exceção e, não regra. Faça um RALLLY pelas diversas fazendas Brasil afora, para comprovar que o uso de tecnologia de ponta, não atinge meio por cento ( 0,5%)das nossas propriedades rurais. Preciso ver alguém comprar um bezerro por esse preço e se a arroba permanecer próximo do preço atual, fechar as contas no AZUL. Uso a máxima de SAO TOME. tenho que ver para crer.
      Abraços, extensivos aos demais participantes desse espaço democrático.
      Moacir Gomes.
      SANTA MARIA DA VITORIA/BAHIA

  3. Alexandre Cunha

    11/06/2015 at 10:10

    Primeiro que esperar boi com 25@ é PREJUÍZO. TEMOS QUE AUMENTAR o giro, e outra, boi zebu tem menos osso

  4. João Ednilson Favoreto

    11/06/2015 at 10:49

    Estou fazendo esse modelo de recria de bezerro de media 270kg comprados ao preço de R$6,5 o kg.Trabalho com ILP,e eles já estão na brachiaria ruziziensis plantada após colheita de soja.
    Atento para um detalhe: Prestar muita atenção a transição desses animais dessa área para as áreas de capim diferido de verão.O ano passado fiz a transferência desatento e o gado perdeu peso.

  5. Tiago Paim

    11/06/2015 at 14:35

    Além de tudo o que já foi comentado, todos os benefícios da ILP e etc…
    Temos uma outra forma de ver as contas da pecuária, que é o resultado em R$/ha. E não somente o R$/animal de lucro. E que esta na agricultura (na ILP) se preocupa no lucro por área e não por animal.
    Então somado as comentários do Mateus Arantes (uso de resíduos, reserva de valor e fluxo de caixa) e do seu amigo do MT, temos a realidade de que as vezes ganhar R$ 50 por animal tendo 3 por hectare é melhor que R$ 100 por animal tendo 1 por hectare.

  6. Roberto Mattosinhos

    11/06/2015 at 16:07

    Boa tarde Miguel

    Expondo meu ponto de vistas em suas observações a quem quiser comentar.

    – Que pontos diferentes desse sistema de produção tem do seu sistema?
    * O meu é o Racional
    – Quais as diferenças de modelo mental desse produtor para o seu modelo mental?
    * Ainda não cheguei ao nível de Paranormal para comprar Bezerros a R$ 2.000,00 ( fora o custo do frete ou comissão a terceiros caso seja o caso e que tem sim que ser agregado ao valor de compra e preço final posto Fazenda) e que seja a terminação por ILP, confinamento no inicio ou no meio para potencializar a engorda ou regime a pasto com suplementações milagrosas que acredito que vou ter lucro.
    – Quais as premissas acima, você concorda ou discorda?
    * Querer levar estes animais ao abate com 25@, e com isso ter a certeza de lucro. Quem já engordou animais de cruzamento industrial, sabe muito bem que tem raças taurinas que são mais precoces no inicio e mais tardios depois de um período já passado e outras vice-versa. Além de que Frigoríficos tem algumas observações a estes animais de 750Kg na qualidade da carne: Macies, Quantidade de gordura( mesmo sendo marmorizadas), tamanho dos cortes nobres..etc. Então com todo respeito e minha ignorância, fazer conta e justificar o abate com 25@
    para se ter lucro realmente é de esperar e ver.
    – O que você mudou de opinião ao ler essa mensagem acima? (se foi nada, tudo bem também… :-)
    * Quero brindar os criadores que produzem bezerros de qualidade e os vende neste valor ( A maioria dos criadores sabe que vender bezerro neste valor é melhor e mais lucrativo do que engordar )
    E parabenizar também aos paranormais na lucratividade das comprasque vão obter em bezerros de R$2.000,oo e ainda mais onde a @ é uma commodities sujeita a altas e baixas e apostar numa economia fragilizada igual a nossa.
    Donde falo: Ser racional é trabalhar encima do mercado atual e fazer contas dentro mercado atual. Bezerros a R$2.000,00 é especulação a pecuária não oferece no momento garantia real e futura de lucro em animais de reposição neste valor.
    Abraços e sucesso a todos independente da opinião de cada um

    • Eduardo Ferraz Pacheco de Castro

      12/06/2015 at 05:02

      Bom dia, Roberto.

      Na mosca!

      Existe ponto cego? Existe ele vai continuar lá. Cego. Faz parte do negócio.

      Motorista que olha pra trás pra achar o motoqueiro, bate no carro da frente.

      E nós vamos continuar cá, fazendo as contas, trabalhando com o nosso “arroz-feijão” bem feito!

      (A diferença operacional entre sistemas similares de Recria e/ou Engorda se dá no custo. Existe um limite animal para a produção. O preço de venda é balisado pela arroba. O custo é variante pela gestão de compra x administração).

  7. Eusébio Zonta

    11/06/2015 at 20:14

    Valor da Compra : R$ 1.984,00 (4 X R$496,00)
    Comissão : R$ 79,36 (4%)
    Frete : R$ 20,00 (valor médio)
    Ração Recria : R$ 584,00 (4 kg X R$ 0,40 X 365 dias)
    Confinamento : R$ 480,00 (10 kg X R$ 0,40 X 120 dias)
    Operacional : R$ 169,75 (485 dias X R$ 0,35)
    Aluguel de pasto : R$ 240,00 (16 meses X R$ 15,00)
    Financeiro : R$ 350,00 (1% a.m. aproximadamente somente sobre a compra)
    Taxa de abate : R$ 22,00 (INDEA, FETHAB re FABOV)
    Mortalidade : R$ 10,00 (0,5%)
    TOTAL DE CUSTOS : R$ 3.939,11
    CUSTO @ PRODUZIDA: R$ 157,56 (custo / 25@)

    Bom, a única variação que pode haver nos custos, com certeza, é para mais, até porque, como podem ver, estão subestimados.

    Boa sorte pro comprador!!!

    • Luciano Vilela

      14/06/2015 at 12:22

      Domingão to com preguiça de fazer tanta conta…
      Se o objetivo é ganhar R$ 500,00 em 16 meses como no inicio do texto um bezerro de 1.200,00 que gaste 2 anos pra sair gordo a um custo anual de R$ 300,00 no sistema mais tradicional existente também dá mais ou menos isso…
      O bom dessa discussão é que não existe uma resposta certa… apenas opiniões cada qual com sua realidade… Se eu tivesse montanhas de milho pra vender a R$ 14,00 também iria buscar um boi pra terminar com 25@ e vender melhor o meu milho através do boi “elefante”!

  8. Geraldo Marcos de Lima

    11/06/2015 at 20:23

    Miguel , aqui no Paraná estamos vendendo bois de ótima gualidade de 16@ por 2.400,00 reais , nesta situação o pecuarista já pulou a regria e vai lucrar muito mais que comprar um bezerro

  9. Antônio Flávio

    12/06/2015 at 00:19

    Miguel, menus cumprimentos pelo exercício, embora o mesmo careça de dados técnicos e indicadores essenciais para uma análise séria. Talvez seja possível viabilizar o negócio com o bezerro a R$2 mil, mas é muito pouco provável que uma exceção sustente o negócio. Valeu apenas por chamar atenção para as diversas tecnologias que temos para produzir no Brasil.

  10. celso

    13/06/2015 at 09:54

    Cada um tem sua forma de ver o Mundo, todavia a Matemática é ciencia exata. Já os ciclos economicos… . Jamais deve se fazer um investimento numa commoditie nos em precos historicamente mais altos da história.

    Nem ao menos uma comparacão gráfica pode ser feita. Preco pico é para virar short, é para inverter a mão e realizar.

    Aventura não combina com rentabilidade agrícola, que é algo conservador por natureza.

    Iremos exportar esta carne cara para o Trio Calafrio (Rússia, Venezuela e Hong Kong) da carne economica ou para os Sauditas que só consomem ovinos??.

    Se aqui pecuarista fosse capaz de por no papel como fez o sábio sr. Eusebio Zonta bezerro de R$ seria lenda rural. Saci cruzando as pernas.

    Muito simpática e construtiva a forma de colocar a questão Miguel, Parabéns !!

  11. Álvaro faria

    13/06/2015 at 15:59

    Vc sitou um ditado indígena e eu vou sitar um ditado popular de baixa grandeza ” quem comprou esse bezerro por esse preço sentou na graxa”.

  12. Álvaro faria

    13/06/2015 at 16:15

    Matemática é um ciência exata. Baseando nos princípios da matemática quem comprou esse bezerro de cr $2.000,00 pagou pelos nossos preços praticados hoje em Goiás 15@ de boi gordo. Conclusão : já está contabilizando um prejuízo inicial de 5 arrobas.Ditado popular roceiro…vc ganha na compra…compre bem e terás lucro.

  13. JOSE LUIZ MARTINS COSTA KESSLER

    13/06/2015 at 16:58

    Estimado Miguel, obrigado por continuar com a pauta do terneiro de R$2.000,00, Quanto aos itens propostos nesta visão diferente trago as seguintes considerações:
    1- A genética diferenciada trará altos ganhos iniciais mas exigirá altíssimo custo para dar terminação a estes animais de grande esqueleto e musculatura;
    2- O risco, com a intensificação exigida ficará equivalente a agricultura pois exige grande imobilização para um período longo (14 a 16 meses) em que tudo terá que dar certo para as contas fecharem;
    3- Aposta-se em preço mais elevado para o boi mas que preço estará o bezerro equivalente para reposição? Ninguém pode prever. Já para realizar a margem desejada terá que apostar em R$ 180,00 na arroba;
    4- Se os custos crescerem no período não haverá margem operacional pois a compra foi muito acima do valor de mercado mesmo para animais de alto padrão;
    5- Aumentar o peso de abate para diluir o custo teóricamente está certo, mas temos que ter em mente que exigirá mais tempo na terminação fase mais cara do processo;
    6- Em minha realidade vender na primavera é planejar para o pior momento. Aqui, a agricultura estará disputando os espaços e o produtor ofertará o que dispõe de gordo reduzindo muito as chances de aumento de preço. O preço só tem melhorado no início do verão, sendo dezembro a fevereiro a época das melhores cotações para o gado gordo.
    Sobre as questões formuladas:
    Sistema de produção muito distinto, trabalho com solos pobres com grandes limitações de uso (planossolos hidromórficos) o que reduz considerávelmente as oportunidades para ILP mais eficiente.
    Considero que nossas mentes estão obrigatóriamente em transformação decorrente da velocidade das alterações provocadas por um mundo cada vez mais globalizado. Porém, sou conservador para a uma premissa: se pago acima do mercado tenho maiores chances de fracassar.
    Finalizo, já que contestei integralmente as premissas deste projeto, considerando que se foi projetado para vender a commoditie boi, estou bastante cético quanto a possibilidade de obter-se qualquer lucro. Abraço, José Luiz Kessler

  14. Aleri João Panazzolo

    14/06/2015 at 11:16

    Bom dia À todos.

    Li todos os comentários
    Depois da Proposta do Miguel.

    É Mto produtivo e interessante esse nível de discussão com referência à Pecuária de Corte.

    Minha Análise.
    Objetivo
    Resultado Econômico Máximo.

    Isso depende de Máxima Competência.

    Como se consegue atingir esse nível?

    Uma boa pergunta.

    Onde você está dentro da Pecuária de Corte?
    Qual seu patrimônio imobilizado?

    Qual seu Faturamento Mensal?

    O conhecimento não tem substituto.

    Vai fazer pensar e poder responder.

    Saber o que quer?
    O que precisa?
    O que pode fazer?
    O que vc faz esta certo?
    Que nota?
    Se fosse um auto móvel?
    Qual seria?

    O meu é Mercedes.

    Meu desejo que todos tenham
    Mercedes.

    A pecuária de corte nos
    possibilita tudo isso.

    Porque.
    É o prato principal
    De consumo diário
    Para ppobres e ricos.
    Do mundo inteiro.

    Att

    Aleri João Panazzolo

    Eng. Agrícola.
    Especialista em
    Produção e Comércio de Carne
    Bovina de Alta Qualidade.

  15. Guilherme Ramm

    16/06/2015 at 15:49

    Esta ficando cada vez mais irreal as propostas aqui apresentadas, animal pra chegar a 750 kg de peso em torno 24 meses comendo ração de 40 centavos o kg, acho impossível pois esses pesos são atingidos em gado de exposição ainda mais tendo sangue angus uma vez que são muito precoces mas tem um frame pequeno…

  16. Sergio

    18/06/2015 at 14:16

    Difícil pensar em abate de bois de 25@ em média, independentemente de ter pago o bezerro a R$ 2000. O que estamos vivendo hoje é um desequilíbrio entre oferta e procura e que não quer dizer que será assim daqui para frente, tende-se a estabilidade. Este valor também não reflete a média de mercado, que está bem abaixo disso. A melhor solução para quem não quer estar a onda do mercado é o sistema de cria, recria e engorda, ou cria e engorda, onde não se sofre as instabilidades do setor, alem de que quando os preços de bezerros chegarem a R$ 2000, podemos jogar esta dinamite nas mãos de alguém que queira comprá-los.

  17. Thalles Ferreira

    19/06/2015 at 11:55

    Resumo da compra do Bezerro nesse preço é prejuízo, a não ser que o comprador tenha algum outro interesse em negócios futuros com o vendedor ou o leiloeiro, o comprador pode ser uma revenda de produtos pecuários, pode ser amigo, enfim o prejuízo com os bezerros é praticamente certo, por outro lado pode ser uma forma de bons negócios futuros.
    Outra afirmação importante levantada neste questionamento referente ao risco da Agricultura ser maior que a pecuária. O tempo inteiro neste questionamento foi trabalhado em cima de uma Integração e utilização de um sistema eficiente e intensivo de tecnologias. A Agricultura nesse padrão oferece muito menos riscos financeiros que uma pecuária com o bezerros a R$ 2.000,00, os agricultores atuais primeiramente faz o custeio da sua safra com SEGURO AGRÍCOLA, caso tenham fatores climáticos adversos, outra, no momento da contratação do custeio seja no banco ou nas traddings o produtor fecha os custos de produção, logo em seguida ele fecha o contrato de venda futuro do produto agrícola, fecha dólar, prêmio…… Caso perca a lavoura por fatores climáticos o seguro cobre a lavoura, caso o produto agrícola reduz o preço ele já fechou a venda para pagar a conta. Na colheita ele vende o restante do produto referendo a seu lucro. Existe um sistema tão eficiente quanto, que seja utilizado em larga escala na pecuária como este? O pecuarista que comprou esse bezerro sabe o preço que vai vender a @? Qual o maior risco uma agricultura eficiente não só em produção mas com estudo de mercado, com variação cambial, com premiação na qualidade do produto? Ou a pecuária eficiente em produção, e sem segurança de preço na venda?

  18. Louis Pascal de Geer

    23/06/2015 at 13:59

    Quero conhecer o frigorifico que vai querer bois de 25@ na linha de fabrica! Este peso não é bom para ninguem.´
    É melhor pensar um outros alternativos para justificar a compra de bezerros a R$2.000,00!

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *