Integração Angus-Nelore e Angus-Hereford/Braford e seu impacto na pecuária

Por em 9 de setembro de 2014

Bom dia, tudo bem?

Como foi seu começo de semana? Por aqui estamos com força total, refletindo sobre o que aprendemos e vimos na Expointer, em Esteio, RS.

Umas dos coisas que me chamou a atenção, foi uma palestra programada pela Associação de Angus, com Ricardo Viacava, mais conhecido como Cadão, um renomado criador de Nelore. O pessoal da Angus organizou uma troca de experiências entre os criadores das duas raças. Encontrei com dois amigos que atuam junto a Angus – Dimas Rocha e Fernando Velloso, e estavam animados com o evento, e depois o próprio Cadão me contou que tinha sido uma experiência muito bacana.

Uma iniciativa alinhada com essa, aconteceu no nosso evento BeefSummit Sul, que realizamos em Abril, também em Porto Alegre, RS. Foi a primeira vez em que as duas raças mais importantes do Sul do Brasil sentaram na mesma mesa para uma conversa pró-ativa. Na ocasião tivemos a presença do Reynaldo Salvador, diretor da Angus, e Fernando Lopa, presidente da Hereford-Braford participando de um debate histórico. Todos que estavam presentes no eventos comentavam depois no coquetel sobre como isso era positivo para ambas as raças e principalmente para a pecuária.

Eu fiquei muito animado, com esses dois episódios de integração Angus-Nelore e Angus-Hereford/Braford, pois acredito que se gasta muita energia debatendo e se concorrendo entre raças, quando temos muitos e muitos desafios comuns. A pecuária é muito maior do que isso e pode se beneficiar muito mais.

O quanto podemos avançar em melhoramento genético, em sistema de produção para o sul e para o centro-oeste, em avanços no mercado da carne, se realmente trabalharmos de forma pró-ativa para construir e reforçar a pecuária de corte nacional e o mercado da carne servido pelo Brasil. Temos muito a fazer e a construir.

Como perguntei ao final da minha palestra semana passada, no evento do Marfrig, na Expointer, para mais de 300 pecuaristas gaúchos: Qual o legado você quer deixar para a pecuária de corte? Como você quer ser lembrado? Te convido a deixar seu comentário e aprofundar essa conversa aqui.

5 Comments

  1. Pablo Luiz Bortoly

    09/09/2014 at 09:12

    Sou um aspirante a pecuarista, venho de formação em engenharia sanitária e ambiental na UFSC. Não tenho uma fazenda ainda, estou entrando no ramo em um pedaço de terra que meu pai comprou no Mato Grosso a uns 20 anos atrás. Meu pai sempre foi um empresário do ramo das sementes de pastagem, foi e é um desbravador do Brasil, levou e leva pasto, e teve ligação direta com milhares de hectares de terra que foram abertas para pecuária.
    Como estava fazendo engenharia sanitária e ambiental, durante a faculdade tinha forte receio de que meu pai fazia, pois sabia de sua querendo ou não, “inseparável influência no desmatamento”.
    Após formado e mais consciente, deixei o lado “ecochato” de lado e comecei a me encantar com a produção rural, o poder e potencial que temos, hoje vejo que a região de nossa terra no Mato Grosso, tem todos os quesitos necessários para fazer a pecuária mais eficiente do Brasil e talvez do mundo. Muita água, terras levemente onduladas, solo de muita qualidade clima perfeito, muito quente de dia e friozinho a noite, produção abundante de grãos. Aprendi que o caminho mais correto, ambiental, econômico, social e etc é a eficiência, e temos as melhores condições para isso. Hoje em dia só agradeço e respondendo a pergunta, meu objetivo é fazer a pecuária mais eficiente e mais rentável possível, pois esse é o melhor caminho

    Grande abraço, sempre leio seus posts, parabéns mesmo

  2. Luiz Roberto Zillo

    09/09/2014 at 09:44

    Bom dia Miguel, você sempre nos surpreendendo e trazendo novos caminhos a Pecuária do Brasil.
    Acho que em meus 23 anos em que estive na Pecuária como proprietário em Mato Grosso, consegui deixar algo de bom. Participando do Sindicato Rural e Famato, permitiu que eu organizasse diversos eventos, workshops, e Dias de Campo
    Reuni grandes nomes em um único objetivo que foi de trazer novos caminhos aos pecuaristas interessados em mudar, agregar valor e conhecimento ao seu negócio.
    Também poderia ter feito muito mais, e pude ao final desses anos na Pecuária transformar minha propriedade em Fazenda Modelo do Estado (Prêmio Top Enipec 2006 – FAMATO)sempre atendendo visitantes e transferindo tudo que consegui agregar estes anos todos. hoje atuo como Consultor e desejo sempre poder passar o que aprendi todos estes anos as pessoas que puder. Esse é e sempre foi meu compromisso com a pecuária. Como disse o colega Pablo, acima de tudo respeitando a Natureza para que ela sempre nos de o sustento de forma legal.
    Abs, parabéns pelos seus desafios. Você tem muito legado a deixar para a Pecuária Brasileira.
    Beto Zillo.

    • Miguel da Rocha Cavalcanti

      09/09/2014 at 09:49

      Bom dia Beto, muito obrigado pelo comentário e parabéns pelo seu trabalho. Abs, Miguel

  3. Sergio Barrantes Astúa

    09/09/2014 at 11:33

    Um bom legado,é aplicar o Pastoreio Racional Voisim em toda a extensao y profundide seguindo as recomendacoes do Profesor Humberto Osorio,eu conseguindo fazer isso,e, deixar como legado, ficaría mais do que satisfeito.

  4. Jorge Druetto

    10/10/2014 at 00:32

    Da Argentina, estamos constantemente a pensar no desenvolvimento de animais uma melhor integração com as raças majoritárias no Brasil: Nelore e Brahman. E fazemos isso a partir de nossa base genética nas raças Angus e Hereford. Hoje podemos oferecer dois touros Angus em Inseminação Artificial utilizando um sistema de terminal. Ambos os touros, um vermelho, um preto, vem complementar os benefícios genéticos de raças brasileiras que fazem a sua contribuição para melhorar a qualidade da carne, açougueiro conformação, precocidade e fertilidade. Sêmen de touros estes estão disponíveis, bem como todos os seus dados genéticos e certamente será de grande benefício para a pecuária brasileira.
    Dr Jorge Druetto

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *