A ética do cowboy (você conhece?) e o valor do aperto de mão

Por em 9 de outubro de 2014

Bom dia, tudo bem?

Ontem foi o melhor dia da viagem pelo Texas, participando do 5 Nations Beef Alliance. Visitamos uma empresa de compra-venda de gado, uma fazenda, um supermercado e uma associação de produtores. Além de um almoço e um jantar super especiais com carne da mais alta qualidade.

Gostaria de te contar sobre a visita a Capitol Land & Livestock, uma empresa especializada em compra e venda de gado.

Há muitos e muitos anos começaram com um leilão em que o diferencial era ser honesto, transparente e buscar o melhor para o vendedor. Em muito pouco tempo, tiveram um negócio de muito sucesso, com vários municípios fazendo doações de terrenos e até da construção para que expandissem e se instalassem em outras cidades.

Anos depois, num momento de baixa do mercado, o filho do dono resolveu arriscar e inovar, mudando seu negócio. Não seria mais um leilão, mas um operador, que compraria e venderia gado. Seu negócio mudou totalmente e ele tem um formato que eu não conhecia e me parece único.

Compram gado todos os dias. Participam com uma equipe, de mais de 250 leilões de gado por semana em todo os EUA. Compram gado nesses leilões, enviam para uma central de recebimento de gado, que aparta o gado em lotes homogêneos (tem mais de 40 categorias de gado – peso, altura, sexo, raça, etc). Esses novos lotes são vendidos em no máximo 24 horas por um time de vendedores profissionais, por telefone ou email.

Leva em conta que o rebanho médio de cria dos EUA tem 25 cabeças, e os compradores (confinamentos) são muito maiores. Ele faz um negócio que organiza e facilita a vida de quem compra, e cobra uma margem por isso, tomando risco no negócio.

Eles inovaram em uma série de coisas. Foram eles, em parceria com a Universidade Texas A&M, que criaram o protocolo de pós-desmama VAC 45, que inclui pasto com suplementação e uma série de vacinas após a desmama por 45 dias. Com isso, os bezerros entram no confinamento muito mais saudáveis, com um custo mais baixo de medicamentos e com uma mortalidade muito menor.

O foco da Capitol como empresa é fazer com o que bezerro que vendem tenha uma melhor performance no confinamento: menor mortalidade, maior eficiência, maior ganho de peso.

Jim Schwertner, presidente da empresa, contou alguns outros detalhes muito interessantes.

Perguntei quais seriam suas próximas inovações, o que vinha pela frente no negócio dele. Me disse duas coisas:

1- A internet vai ficar cada vez mais importante (citou o serviço de taxi Uber, que é um fenômeno nos EUA, ou o EasyTaxi e 99Taxis no Brasil, que estão revolucionando o mercado de taxi no mundo), ou ainda outras empresas como AirBnB revolucionando o mercado de hotéis. Muito bom ver uma pessoa antenada com as novas oportunidades, mesmo tendo um negócio de sucesso hoje (que foi construído com base em inovação e coragem).

Como você está usando a internet a seu favor? Eu uso email, facebook e whatsup para me informar, para trocar informações e conversar. Consigo falar sobre mercado do boi em GO andando pelo interior do Texas. Consigo trocar experiências sobre marketing na internet com especialistas dos EUA, estando em Piracicaba, ou em qualquer outro lugar. Você está usando a favor do seu negócio? Existem maneiras de se beneficiar, ou de apenas tomar seu tempo.

2- A maneira como encaramos as raças vai mudar nos próximos 10 anos. Jim acredita que vamos olhar genética de forma mais sistêmica, envolvendo cruzamentos, programas, visão de longo prazo. Muito mais parecido com a indústria de aves e suínos encara genética hoje. Existem linhagens e objetivos, e quase não se fala mais em raças puras. Outro fator que será importante nessa nova fase são os marcadores de DNA. Vai ser mais rápido, fácil e preciso fazer predições genéticas.

Eu já ouvi isso de diversas pessoas ao redor do mundo. Sei que é polêmico, sei que existe muita gente que não é a favor, sei que existe uma força diferente na pecuária, mas é um ponto a se pensar. E foi muito interessante ouvir isso hoje, quando li um artigo do meu amigo Rogério Goulart, da Carta Pecuária, que dentre vários assuntos ele contou que foi atrás de aprender sobre produção com aves e suínos.

Qual sua opinião sobre esse assunto? Será que isso vai mudar seu negócio? Vai mudar o negócio de quem vende genética? Será que vai mudar a forma como compramos genética? Quem serão os novos líderes em genética e não em raças, se esse padrão se estabelecer?

Como é um excelente comerciante, perguntei qual era o perfil desejado de um vendedor. Jim quer que seus vendedores prometam menos e entreguem mais. Pois os negócios são feitos para serem repetidos.

Falou diversas vezes que os produtores, os pecuaristas de todo o mundo devem se lembrar e se orgulhar de algo de grande valor – o aperto de mão. Os negócios lá são fechados com um aperto de mão e pessoas de outros setores, de fora da pecuária, não conseguem entender como isso pode funcionar tão bem.

Ao falar sobre seriedade e ética, ele entregou um cartão com o Código do Oeste, ou a Ética do Cowboy, leia a seguir.

1- Viva cada dia com coragem
2- Tenha orgulho pelo seu trabalho
3- Sempre termine o que você começar
4- Faça o que é preciso ser feito
5- Seja duro, mas seja justo
6- Quando fizer uma promessa, cumpra
7- Represente
8- Fale menos e faça mais
9- Lembre-se que algumas coisas não estão a venda
10- Saiba não ultrapassar alguns limites

Eu gostei muito dessa lista, está muito alinhada com a forma que eu procuro viver. Nem sempre consigo, mas é a minha linha.

Eu gostei muito do item 7, que em inglês é “Ride for the Brand”. Pedi para uma pessoa me explicar melhor o que significava. Em tudo que fizer, represente você, sua empresa, sua posição, sua profissão, seu país. Um exemplo de um momento que isso não aconteceu, foi no fatídico jogo 7-1 na copa do mundo desse ano.

Quando buscamos representar aquilo que somos, na melhor forma, em tudo que fazemos, tudo fica mais fácil. E temos mais sucesso. E temos mais orgulho do que fazemos e de quem somos.

Na hora do almoço, já em outra fazenda, ouvi uma oração que também me marcou:

– Senhor, faça que as palavras que saem da minha boca, que minhas ações e que a maneira que eu conduzo minha vida possam servir de exemplo e estímulo para aqueles que estão a minha volta.

Eu gostei muito do que aprendi ontem. Sobre pecuária, sobre comercialização, sobre negócios. Mas aprendi muito mais sobre como viver uma vida que eu possa me orgulhar. Muitas vezes, me lembrar desses detalhes que eu até já sei, servem de reforço para seguir no meu caminho.

E você, qual sua reflexão, sua opinião e sua mensagem que você gostaria de passar para as pessoas que você vai encontrar hoje?

Muito obrigado pela companhia nessa jornada. Conte comigo. Um grande abraço, Miguel

PS: Você tem alguma sugestão para o AgroTalento? Por favor responda essa rápida pesquisa e deixe sua opinião. Muito obrigado :-)

Miguel Cavalcanti

BeefPoint: Para quem faz hoje a pecuária do futuro. E para quem quer fazer.
AgroTalento: desenvolvimento pessoal e profissional para os novos líderes da pecuária.

13 Comments

  1. Gentil José Martin Fernandes

    09/10/2014 at 07:27

    Bom dia Miguel.

    Também concordo com o Rogério sobre o aprendizado com a seleção voltada para produtividade, do suíno e da avicultura.
    Nós da pecuária de corte temos muito que aprender com a pecuária de leite e também com a agricultura em termos de seleção e produtividade.
    A pesquisa e inovação na genética produtiva será mais que importante no momento em que os recursos naturais como fontes de minerais e recursos hídricos estão cada vez mais limitados.

    Gentil.

  2. Gentil José Martin Fernandes

    09/10/2014 at 07:45

    Miguel, bom dia.

    A mensagem que tenho para deixar hoje é a seguinte:
    “Agradeço a Deus pela oportunidade de viver mais um dia e que eu possa produzir, que eu proteja a natureza e os animais que fornecem vidas e alimentos para as pessoas. Também quero, de maneira honesta e sincera, reconhecer os atos positivos da minha equipe para que a mesma saiba do seu valor e importância como profissionais e pessoas.
    Cultivar os amigos e dar atenção à família que é o alicerce nos momentos difíceis da nossa vida.

    Gentil.

  3. André de Souza e Silva

    09/10/2014 at 09:31

    Acredito que esta visão apresentada no texto, já esta se tornando realidade em divérsos países e no Brasil também. O Brasil contribui de forma importante para a identificação genômica de animais melhoradores. Alicerçado em universidades (UNESP), programas de melhoramento (DeltaGen) e empresas (Jacarezinho) foi desenvolvida a DEP genômica para animais zebuínos. E isto esta sendo utilizado em grande escala na produção de carne. Ainda não chegamos ao ponto de desvincular os dados genômicas de raças.
    Att.

  4. Flavio

    09/10/2014 at 10:52

    Bom dia Miguel:
    Excelente relato, notadamente sobre nossos amigos americanos.
    Nos chamou a atenção e considero um assunto digno de pauta, a “imunização dos terneiros” que eles passaram a fazer como padrão.
    Gostaria muito de ver o assunto vacinas na pauta do Beef Point.
    Um grande abraço. Obrigado.
    Flávio Abel – RS

  5. PAULO CESAR BASTOS

    09/10/2014 at 14:33

    Prezado Miguel Cavalcanti

    Oportuna essa sua Carta do Texas. Parabéns a você e a todos que estão conhecendo exemplos que poderão ser adequados, adaptados e aplicados nas diversas regiões pecuárias brasileiras.

    Vale lembrar: o Texas e a California possuem regiões áridas e são ricos estados dos EUA, aqui continuamos com o secular desafio do semiárido. Moral da história: para avançar é preciso inovar. Elementar, mas precisam acreditar e aplicar. Além da locução, urge atitude e ação. A ética do aperto de mão. Junto com essa lembrança, vamos cultivar a esperança.

    Posto isso, segue a minha reflexão, a minha mensagem para o dia:

    Admirar e compartilhar os bons exemplos são, também, estratégias fundamentais para o progresso em direção ao sucesso.

    Saudações sertanejas

    Paulo Cesar Bastos

  6. Marcelo Freitas

    09/10/2014 at 19:42

    Boa noite Miguel,

    Acabo de chegar de um dia de muito trabalho em fazendas, como muitos colegas Médicos Veterinários, assim que chego em casa vou ver email e saber como anda a pecuária do Brasil, mas hoje fiquei surpreso em ler seu newsletter um dos melhores que eu já li, me identifiquei muito pois é o que venho praticando à tempos no meu trabalho. Parabéns otima matéria.

    Att
    Marcelo Freitas
    Médico Veterinário
    r

    • Miguel da Rocha Cavalcanti

      09/10/2014 at 20:27

      Muito obrigado Gentil, Andre, Flavio, Paulo e Marcelo.
      Vamos juntos! Abs, Miguel

  7. Rafael Maffessoni

    09/10/2014 at 22:24

    Bom Noite a todos,
    Será que um dia, podemos sonhar em apertar a mão de um comprador ou vendedor
    em nosso País e isto ser considerado com um contrato muito bem elaborado.

    Vamos sonhar com isso.

    Muito boa a parte de cruzamentos, as empresas de produção de genética suína
    e de aves, hoje vendem o seu trabalho de décadas de tentativas e erros em cruzamentos,e hoje colocam no mercado a genética X, ou Y, que irá fazer o produto final, um dia a pecuária brasileira vai necessitar chegar a este nível de produção.

    Abs a todos.

  8. Pingback: Missão cumprida na 5 Nations Beef Alliance - Miguel da Rocha Cavalcanti

  9. Aldo heck

    10/10/2014 at 09:31

    Parabéns miguel a muito te sigo deste uma visita que fizeste em um seminário promovido pela minha cooperativa em São borja RS fronteira oeste foi muito tempo talvez não te lembres, Str código de conduta do cowboy e está oração devem ser o norte de toda a pessoa pois caracteriza o caráter e a índole de pessoas de bem que amam o que fazem estou me programando para ser teu companheiro numa próxima viagem e com certeza estarei no beef summit abraço e sucesso.

  10. ANTONIO MARINGONI

    10/10/2014 at 17:00

    Isso tudo realmente é muito importante ( caminho feito por aves e suínos). Precisa que a ABCZ veja isso tudo e entenda de forma clara e objetiva. Reconheça os programas e a evolução e não ficar discutindo se o nome Nelore só pode ser usado por quem tenha registro !

  11. eduardo machado

    11/10/2014 at 09:29

    Parabens Miguel.

    Esses dias a mais aí nos USA sido muito importantes e vc nos abastece com textos de alta qualidade.

    Obrigado.

    Eduardo Machado.

  12. Fabio Carneiro

    04/11/2014 at 23:21

    Excelente artigo/relatório. Grandes lições. Como aprendi na vida diferente daquele ditado: perde o amigo mas nao perde a piada. As vezes e melhor perder um negocio mas nao perder o amigo. Pois no futuro isso pode fazer a diferenca.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *