Como você reagiu?

Por em 17 de dezembro de 2014

Bom dia, tudo bem?

Jantei ontem a noite com um amigo com quem sempre aprendo e que me leva a reflexões.

Ele estava me contando muito satisfeito dos seus resultados de 2014, muito feliz com o que alcançou, e muito mais do que isso, ele estava muito feliz, realizado e satisfeito com a forma com que ele tinha respondido a diversas situações durante o ano.

O ano dele não tinha sido ruim. Mas tinha sido um ano intenso, com momentos muito positivos, muitas conquistas, muitos resultados, mas também tinha enfrentando situações “pedreira”, momentos realmente críticos em relacionamentos, questões familiares e negociações difíceis.

Ele não estava contente porque o ano tinha sido fácil. Muito pelo contrário. Ele estava satisfeito com a forma com que ele tinha reagido, a forma como ele tinha se comportado a cada um dos seus momentos chave do ano.

Você não tem a capacidade de escolher o que vai acontecer com você. Surpresas desagradáveis estão a solta por aí… Você não tem escolha, as vezes tragédias, pepinos e dores de cabeça acontecem sem que possamos escolher, sem que nos seja oferecido uma opção.

Mas você tem a autonomia de como vai reagir. De como vai responder. De como vai ser seu comportamento. E os seus resultados vão ser fruto dos comportamentos que você escolher. Lembre-se que não fazer nada também é uma escolha.

Eu gostei muito de ouvir os relatos e histórias desse meu amigo, pois foi uma boa reflexão para mim, e me reforçou minha crença e minha vontade de estar sempre alerta e se comportar da minha melhor forma, da forma que eu escolho, e não de uma forma reativa ou automática. Eu nem sempre consigo, mas é isso que eu quero.

Eu quero ser eu mesmo na minha melhor forma. Eu quero me tornar aquilo que eu sou. Eu quero ser a melhor versão de mim mesmo e não uma cópia de outra pessoa.

Fica aqui meu convite para você fazer uma reflexão sobre como foi seu ano de 2014, em especial não sobre quais coisas boas ou ruins que aconteceram com você, mas como você respondeu a cada uma dessas coisas boas e ruins. Pois isso está no seu controle.

Você se torna aquilo que você faz. E quem você vai ser quando você estiver sendo?

Gostaria de saber das suas reflexões sobre esse tema. Me responda esse email, ou comente aqui.

Desejo um ótimo dia de trabalho nessa última semana de trabalho do ano (vamos parar na sexta-feira para um breve recesso).

Um grande abraço, Miguel

PS: Ontem escrevi uma provocação e uma reflexão sobre o tema sucessão familiar ou planejamento de gerações, e convidei você a responder qual seria o melhor nome para tratar esse tema tão importante e ao mesmo tempo difícil de encarar. Recebemos até o momento, 53 comentários, com excelentes sugestões. Gostaria de destacar a ótima resposta do nosso amigo Euvaldo Foroni, lá de Rondônia. Fica aqui meu convite para você ler, comentar e debater sobre o tema: Isso não funciona, é igual vender caixão…

Miguel Cavalcanti
BeefPoint: Para quem faz hoje a pecuária do futuro. E para quem quer fazer.
AgroTalento: Desenvolvimento pessoal e profissional para os novos líderes da pecuária.

4 Comments

  1. antonio lopes de freitas

    17/12/2014 at 09:25

    meu 2014 foi igual do seu amigo,a unica diferença e a tristeza que me bateu pelas dificuldades que nao obtive exitos,mas sacodi a pueira dos tombos que levei ,e continuo de pe e com forças para lutar em 2015 com muita fe em deus. feliz natal e um ano novo de sucessos,
    beijos no coraçao
    antonio

  2. Vitoria

    17/12/2014 at 09:57

    Meu ano também não foi fácil. Não foi como eu queria mas creio que tenha sido da melhor forma que consegui que fosse.

    As experiências nos ensinam mais sobre as situações e sobre nós mesmos.
    Agora estou voltando com tudo! Que 2015 seja um ano melhor e mais turbinado!

  3. Lu Wo

    17/12/2014 at 11:09

    Estou aprendendo através da leitura de 2 livros, Os 7 hábitos das pessoas altamente eficazes – de Stephen Covey, e Timeshifting – de Stephan Rechtschaffen, sobre pontos importantes na forma de conduzir a vida. Stephen diz que o primordial é seguirmos nossos princípios e alinhar nosso comportamento com uma missão pessoal declarada. Stephan se especializa mais na condução da vida baseada no momento presente, buscando desacelerar a mente. Concordo com os autores e estou buscando pautar minha conduta através dessas duas perspectivas. Sinto-me muito mais produtivo, com grande sentimento de realização.

  4. Jacques P. Azambuja

    17/12/2014 at 12:26

    A gente até planeja mas surpresas acontecem sempre.

    Como lidar com elas. Nossa capacidade de resiliência, de reação, tem muito a ver com o resultado na solução das surpresas, dos problemas.
    Acredito que além da nossa experiência, ter uma boa rede de contatos e amigos, muitas vezes ajuda a resolver estes problemas. Cada vez mais a parceria tem que funcionar para as horas boas e ruins também.
    Lado reconfortante é que problemas fazem-nos adquirir sabedoria, experiência e feeling para encarar o muito que se Deus quiser vem pela frente. Feliz Natal e Ano NOvo. Continue escrevendo. É bom le-lo.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *