Carne brasileira nos EUA – quais os impactos para o mercado do boi gordo?

Por em 30 de junho de 2015

Olá, tudo bem?

No jantar de ontem, numa steakhouse em San Francisco, aqui na California, contei ao meu amigo americano que os EUA tinham acabado de liberar a entrada de carne brasileira in natura. Mais adiante na conversa, ele me perguntou qual tinha sido a melhor carne que eu já tinha comido na vida.

Me lembrei do assado de tira que comi em Dom Pedrito, de animais britânicos, criados em campo nativo, e com denominação de origem. E ainda por cima, assado pelo Perico, o melhor assador que conheço. O jantar de ontem estava excelente, mas ainda assim, muito longe do assado de Dom Pedrito… :-)

A notícia de ontem, de abertura do mercado dos EUA para a carne bovina brasileira in natura não trará grandes mudanças no curto prazo, pois o cota é pequena, e a tarifa extra-cota é muito alta. Mas é um grande salto para a pecuária brasileira. Ter acesso ao maior mercado do mundo para carne bovina, e que é considerado por muitos países como referência em sanidade e segurança do alimento é um passo muito importante. Precisamos comemorar, de preferência com um churrasco…

Esse meu amigo americano, me perguntou em seguida, se agora eu poderia enviar aquela carne que tinha falado, para os EUA… Ele já ficou imaginando um churrasco brasileiro com carne brasileira no mastermind aqui dos EUA… Vai ser incrível, quando esse (breve) dia chegar…

E por conta disso, eu fiquei imaginando a amplitude de oportunidades que o Brasil tem daqui em diante. Desde as mais óbvias, como carne de dianteiro, magra, para blend de hamburguers, até carne de alta qualidade, de animais criados a pasto, que é uma tendência crescente aqui nos nos EUA. É um mercado que cresce e que paga mais caro. E quando eu explico qual é o modelo básico de produção brasileiro (pastagens, sem implantes), o pessoal aqui dos EUA arregala o olho…

Vamos trabalhar, que temos o que construir pela frente… Vamos que vamos! :-)

Decisão dos EUA abre mercado de carne bovina in natura para 13 estados e o DF

APHIS permitirá importações de carne bovina fresca do norte da Argentina e de 14 estados do Brasil

Brasil poderá exportar 100 mil toneladas de carne bovina para os EUA em cinco anos

JBS: liberação da carne do Brasil pelos EUA será histórica

Muito obrigado pela sua participação. Um grande abraço, Miguel

PS: Ainda estou escrevendo um artigo com o resumo da palestra que fiz semana passada, sobre os desafios da pecuária num mundo em transformação. Muito obrigado a todos que responderam pedindo para eu fazer esse resumo, fiquei impressionado com a quantidade de respostas… E aproveito para te perguntar: para você, qual é o maior desafio da pecuária hoje?

Miguel Cavalcanti
BeefPoint: Para quem faz hoje a pecuária do futuro. E para quem quer fazer.
AgroTalento: Desenvolvimento pessoal e profissional para os novos líderes da pecuária.

2 Comments

  1. Fernanda Schneberger

    30/06/2015 at 20:33

    Miguel, como você acredita que esse fato vai refletir na mesa do brasileiro?
    outra dúvida; como o produtor deve/vai reagir a essa nova fase?
    Obrigado.

  2. Marcus dos Santos Kemp

    07/07/2015 at 10:56

    Miguel bom dia ! Tem frigorífico fechando as portas este ano porque não tem boi gordo para abastecer. O gargalo sabemos está na cria. A abertura não irá beneficiar um determinado segmento dos frigoríficos exportadores e alguns produtores deixando os demais na realidade do mercado interno que anda em passo lento devido a atual situação ecônomica do Brasil ?

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *