Na Bolívia, Boviplan auxilia fazenda a ampliar projeto de cria

Por em 13 de janeiro de 2012
      Sob a orientação do sócio e consultor Eduardo Ribeiro, a Estância San Mateo planeja atingir a meta de 2.200 matrizes. A fazenda, que iniciou suas atividades de pecuária com uma área de aproximadamente 140 hectares (ha) de pastagens, hoje já possui cerca 1.400 ha destinados a este fim e está pronta para chegar a 1.800 ha neste ano. Ao utilizar técnicas de formação e manejo de pastagens preconizadas pela Boviplan, a San Mateo conseguirá atingir a meta de capacidade máxima de suporte, que é de até 1,5 matrizes/ha.

      Um dos fatores que colaboram para o sucesso de empreendimentos de uso semi-intensivo das pastagens, como é o caso da San Mateo, é a qualidade do solo boliviano, que apresenta alta fertilidade, diminuindo a necessidade de utilização de fertilizantes. Contudo, Eduardo Ribeiro alerta que não basta alta fertilidade, é preciso utilizar racionalmente o recurso forrageiro. “Caso contrário, não existiriam fazendas com pastagens degradas na mesma região da San Mateo. Não existe milagre, é preciso escolher as tecnologias corretas e saber como aplicá-las de forma sustentável”, explica o consultor da Boviplan.

      Por conta da alta fertilidade, a taxa de crescimento das pastagens, constituídas essencialmente pelos capins Mombaça e Braquiarão e formadas no período chuvoso, é elevada, o que viabiliza sua utilização de forma antecipada quando comparada com a situação do Cerrado brasileiro, por exemplo. “O mesmo ocorre com as pastagens já formadas no início do período chuvoso.O rebrote é agressivo e as pastagens rapidamente ofertam quantidade com qualidade aos animais”, completa Ribeiro.

      No entanto, destaca o consultor da Boviplan, essa mesma alta fertilidade também favorece o rápido crescimento de plantas invasoras, um fator limitante à produtividade das pastagens. As invasoras mais comuns naquela região são guanxuma, corda de viola, pasto amargoso e o próprio pasto nativo. Nos novos plantios, para atingir a meta de 1.800 ha, o controle destas invasoras será feito, basicamente, com pulverização de herbicida em área total ou localizada, sendo a etapa seguinte a divisão dos pastos em piquetes rotacionados, para propiciar o uso racional das pastagens.

      Outro fator limitante à produção a pasto naquela região da Bolívia é a estacionalidade das chuvas, aponta Ribeiro. “Elas são muito mal distribuídas, promovendo um período seco que desafia de forma contundente a produção a pasto, podendo até acarretar na perda de novos plantios, quando o manejo posterior não é bem planejado”, afirma Eduardo.

      Um dos fatores importantes do planejamento estratégico da San Mateo, montado por Ribeiro, é a implantação da rede de distribuição de água para os animais através de bebedouros estrategicamente localizados, facilitando a estruturação de módulos de pastejo rotacionado. “Como outras propriedades da região, a San Mateo não possui aguadas naturais.Neste caso 100% da água consumida pelos animais é captada em poço artesiano e fornecida através de bebedouros”, explica Ribeiro. Os bebedouros são interligados a um reservatório elevado do tipo australiano, o que facilita a distribuição da água por gravidade, já que o relevo da região é muito plano. Segundo Eduardo, cerca de 70% da parte hidráulica do projeto já pode ser considerada concluída.

      De acordo com os planos e metas traçados pelo consultor da Boviplan, a San Mateo concluirá o projeto no período das chuvas entre 2013 e 2014. “Nosso planejamento previu uma distribuição dos investimentos ao longo do tempo, reduzindo riscos e garantindo um crescimento de forma sustentada”, conclui Ribeiro.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *